quarta-feira, 11 de julho de 2007

Tempestade

Cá estou mais uma vez
Perdido em uma tempestade que não cessa
O céu escuro não permite que o sol me ilumine
Sua figura domina meus pensamentos
Em uma inundação de lembranças
Procuro um refúgio e não encontro
Uma rocha se formou em seu interior
Sólida e rígida não consigo destruí-la
Tudo que queria era alcançar seu coração
Aquele que me dizia que nunca me deixaria
Que eu seria seu amor eterno
Iludido pela beleza e sinceridade dessas palavras e sentimentos
Me atirei sem medo de me machucar
Aprendi o que é o verdadeiro amor
Dele nunca quis sair.

Porque não podemos deixar nossa história acontecer?
Deixar que dois corações possam se juntar
Viver momentos em que apenas nós existimos
Tornar nossas lembranças em vida real.

Agora aprendi o que é a dor
Uma dor que me deixa em desespero,
Uma agonia inexplicável
Uma vida sem razão
Não consigo aliviá-la só consigo sofrer
Das minhas noites em claro e refeições sem comer.

Só quero você meu amor!
Ter motivos pra viver
E vontade de crescer.
Abaixe sua guarda não irei lhe machucar
Destrua essa rocha, venha viver comigo
Transformar nossos pesadelos em sonhos reais
Ouça os gritos do seu coração
Ele quer sair.
Dos seus sentimentos você não pode fugir, apenas se esconder.

2 comentários:

Pildz!! disse...

Eu acho que você deveria escrever mais alegremente ehehe

leila_lele disse...

Hélio , estou acostumada a seu jeito zoeiro e engraçado que nunca imaginei que pudesse escrever tão bem ... (e olha que vc eh engenheiro, hein?!! rs) estou admirada mesmo!!! Não só pela sua habilidade de escolher as palavras q expressam melhor seus sentimentos, mas tb pela beleza de tudo akilo que sente e a coragem de expo-los... estou aguardando o lançamento do seu livro de poesias !!! hehehe E ânimo amigo... vamos pra chopada, hein?!!!! Bjos