quarta-feira, 25 de julho de 2007

Descanse em meus braços.
Venha, não lhe farei mal,
Você sabe, me conhece.
Saia desse mundo, caminhe de volta ao real.
Eu te ajudo,
Minhas mãos estão vazias para lhe segurar,
Aproveitar esse frio, só nós dois,
Rumo ao nosso mundo,
O qual a chuva não existe,
O Sol sempre presente parece nos aquecer,
Mas o que realmente aquece é a união de nossas almas.

Pare de pensar!
Não é assim que a felicidade lhe encontra,
Deixe-a lhe achar.
Se enganar lhe faz bem só agora.
Prefere perder tempo?

A minha volta, percebo as mudanças,
Você acha que são suficientes.
São sim, mas só pra sustentar suas ilusões.
Acredito nas pessoas e mais ainda em você,
Sei que irá mudar o que realmente necessita,
Só não se esqueça que ainda é de manhã,
Não espere para agir apenas a noite.

Agora solte seu corpo,
Deixe essa brisa lhe levar,
A brisa do destino,
Descubra para onde irá,
Ficarei imóvel e quando ela cessar,
Só precisarei esticar os braços e lhe pegar.

Um comentário:

Pildz!! disse...

Estranho né kra?
Procuramos e queremos coisas tão simples... e todos complicam.